E-mail: marcos-roxo@uol.com.br

Link para Lattes: http://lattes.cnpq.br/9607381850711569

Linhas de pesquisa: Mídia, Cultura e Produção de Sentido;

Grupo de pesquisa: Mídia, Democracia e Instituições Políticas – Lamide

Link no site do CNPq: http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/0205355057813473

 

CV resumido
Graduado em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Mestre (2003), Doutor (2007) pelo Programa de Pós Graduação em Comunicação da UFF. Bolsista Recém Doutor FAPERJ ECO/UFRJ. Professor do Departamento de Estudos Culturais e Mídia.

Interesses de orientação
1) Mídia e Esporte
2) Televisão e Nacionalidade
3) Cultura Popular e Celebridades Esportivas
4) Jornalismo e Política
5) Autoridade e Identidade Jornalística

Projeto de pesquisa

Telejornalismo, Esporte e Nacionalidade
O objetivo central do projeto gira em torno das estratégias comunicativas e dos formatos narrativos usados pelo telejornalismo para se afirmar entre o público de massa como uma comunidade interpretativa responsável por reconfigurar os elos entre nacionalismo, política e esporte em meio à globalização econômica e cultural em curso.

Publicações
1 – ROXO, Marco, SACRAMENTO, Igor. Intelectuais Partidos. Os Comunistas e as Mídias no Brasil. Rio de Janeiro, Epapers/FAPERJ, 2012.

2 – ROXO, Marco. Companheiros em Luta: A Greve dos Jornalistas de 1979. Niterói, Eduff, 2013.  ISBN: 978-85-228-0803-8 (impresso); 978-85-228-0802-1 (e-book).

3 – RIBEIRO, Ana Paula Goulart, SACRAMENTO, Igor e ROXO, Marco (orgs).  Televisão, História e Gêneros. Rio de Janeiro, Editora Multifoco, 2014. ISBN: 978-85-8273-897-9.

4 – ROXO, Marco e MOURÃO, Mônica. Jornalismo, Memória e Clientelismo: O pacto entre comunistas e Imprensa Conservadora no Brasil. In NAPOLITANO, Marcos, CZAJKA, Rodrigo e MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Comunistas Brasileiros: Cultura Política e Produção Cultural.Editora UFMG, Belo Horizonte, 2013, pp. 251-270. ISBN: 978-85-7041-998-9

5 – ROXO, Marco. O Diabo e o Diploma: Como a Difamação do Passado pode ajudar no jornalismo do presente. In SACRAMENTO, Igor e MATHEUS, Letícia Cantarela. História da Comunicação: Experiências e Perspectivas. Rio de Janeiro, Mauad X, 2014, pp. 197-223. ISBN: 978-85-7478-599-8.

6 – ROXO, Marco. Além do Newsmaking: um olhar panorâmico para as pesquisas em jornalismo. In LERNER, Kátia e SACRAMENTO, Igor. Saúde e Jornalismo: interfaces contemporâneas. Rio de Janeiro, Editora Fiocruz, 2014, pp. 61-84. ISBN: 978-85-7541-454-5.

7 – ROXO, Marco. Bunda de malandro velho não se ajeita em calça Lee: o seriado Plantão de Polícia, a malandragem e a modernização dos jornais. In RIBEIRO, Ana Paula Goulart, SACRAMENTO, Igor e ROXO, Marco (orgs).  Televisão, História e Gêneros. Rio de Janeiro, Editora Multifoco, 2014, 236-270. ISBN: 978-85-8273-897-9.

8 – TROTTA, Felipe e ROXO, Marco. O gosto musical de Neymar: pagode, funk e sertanejo e o imaginário do popular bem sucedido. Revista Eco-Pós, v. 17, nº 3, 2014, pp. 1-12.

9 – ROXO, Marco. O jornalismo como etnia de graduados Profissionalismo, Sindicatos e ditaduras. Lumina, Vol.8 • n 2, 2014.

10 – ALBUQUERQUE, Afonso, ROXO, Marco. As Diretrizes Curriculares de Jornalismo e o modelo cartorial de ensino universitário. Questões Transversais, v. 3, nº 5, jan-jun/2015, p. 27-34.

 

Orientações em andamento

Mestrado
Karina Santos. “O poder popular não precisa mais de intermediação”: populismo como estratégia comunicativa de Jair Bolsonaro nas eleições de 2018″. 2018.
Luciana Fernanda Silva. “A evolução das notícias sobre ações afirmativas no brasil: antes e depois da lei de cotas/2012”. 2018.
Rebeka Vaz da Costa Meirelles.Jornalismo Esportivo e hierarquia de gênero: uma análise sobre os desafios das mulheres que trabalham com esporte”. 2019.

Doutorado
Maria do Socorro de Sousa Cruz. “A construção de si como torcedora de futebol: coletivos de torcidas e o uso do Instagram como meio de legitimação da condição de mulher no futebol nordestino”. 2021.
Matheus Ribeiro Pereira. “Desinformação e populismo: um estudo sobre a estratégia de comunicação do governo Jair Bolsonaro através da página do Facebook da Secom (2019-2022)”. 2021.
Roberta Peixoto. “Religiões de matrizes africanas e representações midiáticas: das páginas policiais à espetacularização do sagrado”. 2022.
Rodrigo Nascimento Reis. “O futebol brasileiro como soft power: Um estudo de narrativas jornalísticas e cinematográficas internacionais”. 2018.
Rosana Berjaga Méndez. “A televisão socialista e o imaginário da felicidade, a modernidade e o progresso: Uma análise das narrativas da televisão cubana entre 1959 e 1990”. 2019.
Tatiana Zuardi Ushinohama. “Esporte na televisão V.2.0: Modo de transmissão televisiva ‘ao vivo’ e direta na Era Digital.”. 2017.

Skip to content